Falando mais especificamente da perda auditiva em adultos, seja ela por alguma doença especifica ou devido  ao envelhecimento, vejo no dia a dia do consultório certa resistência dos pacientes quando é indicado um aparelho auditivo como opção de tratamento. Alguns se negam veementemente a usar, outros acham  que sempre dá pra esperar um pouco mais. Esperar talvez que a perda auditiva se agrave a ponto de não mais conseguir ouvir quase nada, e ainda os que optam por não usar porque a perda auditiva nem atrapalha tanto assim.

Pois bem, essa decisão de não usar ou postergar o uso quando indicado pelo seu médico pode trazer consequências que vão além das tradicionais reclamações dos familiares (quando precisam repetir varias vezes a mesma frase). Entre inúmeras delas vou citar três de grande importância:

1-Reações emocionais negativas, irritabilidade e depressão

A audição comprometida pode desencorajar as pessoas a manifestarem suas opiniões e de se exporem a situações de desafio social, causando isolamento, que leva a depressão, irritabilidade e sentimentos de inferioridade.

2- Maior risco de desenvolver doenças neurológicas como Demência e Alzheimer

A audição é um processo que acontece no cérebro e funciona como um exercício. Quando essa função fica comprometida o cérebro fica mais propenso à atrofia e ao aparecimento ou agravamento de doenças neurodegenerativas.

3- Reduções da qualidade de vida e longevidade

O tratamento da perda de audição, quando feito precocemente, exerce efeito positivo na qualidade de vida das pessoas com essa deficiência, deixando-as mais saudáveis emocional e fisicamente e consequentemente aumentando a expectativa de vida.

Então gente, assim como não se deve adiar ou deixar de fazer qualquer tipo de tratamento indicado pelo seu médico, também não podemos subestimar a importância do tratamento de uma perda auditiva, seja com medicamentos, cirurgia ou uso de prótese auditiva.

 

Abraços, Andréa…